Follow by Email

sábado, 30 de janeiro de 2016

                               O limoeiro (A Luciano Maia.)



                                         Lá do sertão
                               O meu pezinho de limão
                              Estendeu uma galha forte,
                                         E deu frutos
                                        No solo fértil
                                   Do quintal vizinho,
                                       Do país irmão!



(* Homenagem de J Santos à cidade de Limoeiro do norte, terra natal do Romanista, Cônsul, tradutor e poeta Luciano Maia)

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Doina
(Para Veta Biris, e Sava Negrean Brudascu)

O sonho embeleza a vida
E o canto é a fonte de inspiração
Que garante através das eras,
O sentido da existência
De forma mais poética,
E humana.

O segredo e encanto das aldeias e
As canções pastorais romenas,
Evocam desde tempos recuados
O orgulho de quem já traz
Nos trajes e no ser
O encanto e o requinte
Da arte de cantar,
...Tatuados na alma!


                                                                  J Santos
Pensando em Sadoveanu

Precisamos ver um novo país
Para além da escuridão.
Aqui no Brasil, nessas terras,
Onde de tudo dá,
A arte de sobreviver
E recomeçar a vida,
Falam mais alto.
Aqui cabem todas as pátrias do mundo.
Porto de salvação,
Terra de imigrantes,
De contrastes e contradições,
...E imensos arrozais 
Mas tenham cuidado, aqui
Nossos prefeitos não são menos cruéis

Como aqueles da velha moldávia!
                            Pensando em Sadoveanu II     

                                      

                               Sobre quadros pintados
                               Em tons cinza do passado,
                               Pousam flores murchas,
                               Sob águas mortas,
                               Como molduras perfeitas
                               Na vida dos humilhados,
                               Que ficaram para trás,
                               Nesse vendaval que 
                               Se tornou a vida...

                               Mas no amanhã,
                               A verdade reaparecerá,
                               Sob notas literárias
                               Nutrindo uma nova vida
                               De forma mais lírica,
                               Transpondo alegria para além do
                               Vasto horizonte
                               Dessa triste Moldávia.
                               Onde o novo império das águas,
                               O encanto das flores,
                               E os ramos dourados,
                               Renascerão outra vez!



                                                                                    J Santos

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

A Nicolae Labis

Se alguém me perguntasse
Quanto tempo leva o homem
Para alcançar à eternidade,
Eu pronto responderia:
21 anos e dez dias!

                           Assinatura Nicolae Labis.png
Anti-Cioran

Não discuta a condição
do mundo, apenas exija dele,
O que ainda vale a pena ser vivido.

A luz mora nas trevas!


                                                                   J Santos

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Sabedoria em Pedra

Ao contemplar o futuro, 
A “mulher sentada” 
E o pensador
Em Dobruja,
Deram ao mundo 
Uma lição de sabedoria e paciência
E viram Brâncusi
Em silêncio,
Acenar no tempo
(com seus bancos e mesa)
E ensinar o mundo 
A sentar.

Como sentado
Se pensa melhor,
A história viu a Romênia
Na história passear...
...A esculpir a lapidar,
Em formas e pedra
Desde a antiguidade,
A arte até no sentar!



                                                                                    J Santos