Follow by Email

sábado, 17 de novembro de 2012

            O Ilustre Desconhecido

                                          Um Homem Chamado Juraíldes

O cantor e compositor Juraildes da Cruz nasceu em Aurora do Norte (GO), hoje estado do Tocantins, um lugar que considera um verdadeiro paraíso. Cresceu ouvindo folias de reis, Cantigas de roda, Luiz Gonzaga e Jackson do pandeiro. Aos nove anos mudou-se para Goiânia, onde aprendeu a tocar vilão com o seu vizinho. Estudou violão clássico, Ouviu muito a "Jovem Guarda", MPB e Rock dos anos 70. Seu trabalho é híbrido de tudo isso, prevalecendo a alma da música original brasileira.
Participou em 2010 do 21° prêmio da música brasileira, consagrou-se como grande vencedor (Voto Popular), e ainda figura como um ilustre desconhecido desses brasis que insiste cada vez mais em reforçar a sua vocação de desconhecedor da verdadeira cultura nacional.
Não que as representações culturais que temos tenham, umas mais valor que as outras, o que se discute aqui são conceitos que vão além do imaginário ordinário e permeiam  o mundo do campo, os valores dos homens de outrora e sobretudo a descrição fiel das lendas o caráter das narrativas e vivências das pessoas que permeiam esse mundo.
Assim podemos conferir nas próprias palavras do autor quando afirma: Andam falando que nóis é caipira, que nossa cara tem milho de pipoca, que nosso rock é dançar catira, que a nossa flauta é feita de taboca, mais nóis não gosta de mentira, nóis é jeca, mais é jóia.

Gravou seu primeiro disco, "Cheiro da Terra", em 1990, contando com a participação de grandes nomes como Chiquinho do Acordeon, Sebastião Tapajós, Paulo Moura, Fernando Carvalho, Nilson Chaves, Mingo e Xangai, Suas composições já foram gravadas por Pena Branca e Xavantinho, Xangai, Rolando Boldrin e Margareth Menezes, entre outros.










domingo, 6 de maio de 2012

Jocenilton & Otoniel visitam Vereador Artista.







   

                                                                         O Vereador Cavalcante (PSDB), recebeu em seu gabinete na tarde de ontem, 12, o pintor Otoniel Fernandes Neto e o fotógrafo Jocenilton Santos que lançaram na última quarta-feira, 11 de abril, o livro documentário “Rio Tocantins Ilustrado” com apoio da Prefeitura de Palmas, por meio da Fundação Cultural de Palmas.


O livro conta com poemas de vários artistas regionais, fotos e telas do próprio autor que remetem o leitor a uma viagem pelo Rio Tocantins em suas histórias, cidades e personagens. O livro tem a participação no prefácio de Eduardo Siqueira Campos (PSDB), apresentação de Eduardo Gomes (PSDB), a introdução feita pela historiadora Katia Maia Flores com fotografias de época e aquarelas do austríaco Thomas Ender.



Otoniel teve a colaboração direta do Vereador Cavalcante que apoiou o artista pilotando uma das embarcações que o levaram a alguns trechos dessa viagem pelo do Rio Tocantins aqui no Estado.


Junto ao lançamento do livro aconteceu a reinauguração do Teatro Fernanda Montenegro, que passou por longa reforma como nova iluminação, troca de assoalho, cortinas e sistema de som. Reforma conquistada após denuncias feitas no ano passado pelo Vereador Cavalcante junto ao Ministério Público sobre a precariedade em que se encontrava o local.


Ao mesmo tempo do lançamento e reinauguração, foi aberta a exposição com as imagens que fazem parte do livro – Óleo sobre tela e fotografias – que permanecerão na Biblioteca Municipal de Palmas, no Espaço Cultural José Gomes Sobrinho para visitação do público até o próximo dia 17 de segunda a sexta-feira, das 8 às 18 horas.


Os autores aproveitaram a ocasião para presentear o Vereador artista, uma vez que Cavalcante além de ser um ótimo ator (com várias produções teatrais consagradas) ficou mesmo famoso por participar do longa metragem, "Deus é Brasileiro" contracenando com Antônio Fagundes, fato esse que o mesmo ver como decisivo em sua grande carreira profissional.

                                                                                   Por Jocenilton Santos.

quarta-feira, 18 de abril de 2012

NATIVIDADE, uma cidade em forma de poesia.






Eu conto a história de um lindo arraial,
de negros e brancos de índios enfim.

O ouro brotava na terra macia,
e o negro cativo chorava e sofria,

buscando riqueza que o branco queria.
Com dores e lágrimas o arraial construía, 

No cimo da serra o povo vivia.
O desbravador da serra desceu,

e Natividade um dia nasceu.
Nasceu a cultura de um povo mestiço,

com lendas e crenças e fé no divino.
No amor e esperança que histórias separa,

Mostrando um passado de glórias vividas,
A história daqui o mundo conhece,

costumes e landas aqui permanece.
Num concurso nacional que o brasil elegeu,

como terceira maravilha,
Natividade venceu!

                                                                                        



                                                                                 Autora, Feliz.



sábado, 7 de abril de 2012

Cantiga de ninar do rio Tocantins



                    "Sou Goiano de nascença,
                     Atendo por nome tupi.
                     Se quiseres saber quem eu sou,
                    Me chamo rio Tocantins"

sexta-feira, 30 de março de 2012

J Santos lança livro do MADE, Junto com Otoniel em Salvador

 




                       





Na noite de 18 de abril, às 19h no Museu de Porto Seguro, Cidade Histórica, foi lançado com sessão de autógrafos, o livro e a exposição "Viagem Pitoresca pelo Museu Aberto do Descobrimento", do artista plástico Otoniel Fernandes Neto, com a participação de Jocenilton Santos, (Seleção Literária) e do fotógrafo Clio Luconi.

As pinturas da exposição de Otoniel e fotografias de Clio estão contidas no livro de mesmo nome, e foram inspiradas na região delimitada em 1996 por Decreto Presidencial como o Museu Aberto do Descobrimento (Made), que abrange 78km de faixa litorânea.

O Made não se consolidou e as dificuldades para sua implantação acabaram por desvanecer o projeto, idealizado pela extinta Fundação Quadrilátero do Descobrimento. Porém ninguém nega a importância de se proteger esse sítio, que ainda conserva muitos aspectos descritos por Pero Vaz de Caminha há mais de 500 anos.


As pinturas do artista plástico representam com forte luminosidade e colorido vigoroso, as paisagens e a diversidade cultural da região que compreende o litoral de Prado, Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália, desde a foz do Rio Caí até o Rio João de Tiba

O resultado dessa viagem ilustrada pode ser conferido na exposição permanente que fica no museu do IPHAN em Porto seguro e no livro catálogo "Viagem Pitoresca pelo Museu Aberto do Descobrimento", bilíngüe em português e inglês.


O projeto do livro foi patrocinado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura, Ministério da Cultura, com apoio da Prefeitura de Porto Seguro, e fez parte dos festejos da Semana do Descobrimento de 2011.



Por, Jocenilton Santos.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Jocenilton Santos e.. "O rio Tocantins Ilustrado"






Em continuidade a uma longa parceria de sucesso com a Otoniel Arte Brasil, e revezando-se entre funções culturais diversas, eis que agora Jocenilton Santos lança seu mais recente trabalho fotográfico no livro de arte “Rio Tocantins Ilustrado”, ainda em parceria com o artista Plástico Otoniel Fernandes Neto.
Jocenilton Santos assina nessa obra, a sua coleção fotográfica inspirada no Rio Tocantins. Sua lente se revela vigorosa, substancial e com paisagens e personagens carregada de afetos.
O talentoso fotógrafo e historiador certamente terá a possibilidade alçar vôos mais altos e desenvolverá projetos mais abrangentes.  Seja no campo das artes, com novas pesquisas, seja no campo das produções culturais, envolvendo comunidades das mais diversas naturezas, muitas vezes isoladas pelos sertões brasileiros.


                                               ''Nos lagos afastados e defendidos onde os peixes ficaram aprisionados pela vazante, as aves juntam-se às centenas e quando levantam vôo permanecem girando em torno do lago esperando que o aparente perigo desapareça. Por vezes a qualquer dos grupos se misturam os "Colhereiros" do mesmo  porte que as cegonhas, mas lindamente cor-de-rosa e com o bico achatado tal como uma colher"
                                                                                          Durval Rosa Borges


" Ter a oportunidade de percorrer um rio de sua nascente à foz, seja ele qual for, é uma experiência única de estar em contato com uma estrada hídrica e seus cenários, suas comunidades e variadas manifestações culturais existentes a beira-rio, e de também conhecer pormenores da história, riqueza dos biomas e da nossa geografia" salienta.
                                                  
E continua:
“... no Brasil quando se fala em rios, bacias hidrográficas, etc. logo nos vem à mente o grande rio Amazonas, o Paraná e o Velho Chico. No entanto pouco se tem falado do rio Tocantins, que pode até ser menos cultuado, porém a importância diária para sua gente é a mesma que os outros têm para seus ribeirinhos. a importância de tê-lo conhecido foi de poder "literalmente" viajar e desvendar os mistérios das tradições indígenas e do povo ribeirinho que estão situadas em sua calha. Somente conhecendo-o para se poder vibrar com as inúmeros povos das suas margens, cada um com os seus conceitos e valores, como é o caso dos Kraôs, Xerentes, Carajás, no Tocantins, mais à frente com Gaviões, Guajajara, etc. no Maranhão. As quebradeiras de coco; canoeiros e barqueiros; mães lavadeiras, com a molecada em suas "firulas" saltando das margens e barrancos; nas praias de areias alvíssimas que aparecem no estio, e o belo pôr do sol da praia da "Graciosa", entre muitas outras. A fertilidade do solo no "Bico do Papagaio", considerando-se também a riquíssima cultura local. E no emocionante encontro com o Araguaia, nas cercanias de Marabá, que dão um aspecto especial e  fazem dessa mesopotâmia uma verdadeira dádiva do Brasil!
E finalmente na baía de Guajará, o “braço formoso do Amazonas” se despeja triunfal  finalizando sua epopéia...”                                                                                                                            
                                    





Convite do lançamento do livro e exposição fotográfica!






segunda-feira, 5 de março de 2012

Homem vs Natureza, O artista e os tipos de Percepções.

                     



1 * Com uma boa imaginação conseguimos traçar uma descrição fiel de uma paisagem,
no entanto,
 2 * Observando uma fotografia, esse aguçamento avulta-se em proporções quase infinitas,
Agora,
 3 * Estando "In Loco" e vivendo de fato o sítio a que se pretende retratar,
       ai já é confidência íntima entre cria e criador

O berço das Águas no Centro Oeste!



A MÃE ÁGUA REFUGIOU-SE
LÁ NO ALTO DO PLANALTO CENTRAL.
PARA NO NINHO DA CRIAÇÃO,
ABRIGAR TEUS FILHOS. 
"AS ÁGUAS EMENDADAS"


                           ESTAÇÃO ECOLÓGICA ÁGUAS EMENDADAS

homenagem do fotografo Jocenilton Santos, às nascentes do rio Tocantins.

"Impressões do Velho Chico", em cores e luzes de Fernando Queiróz

JOSÉ FERNANDO DE OLIVEIRA QUEIROZ, OU SIMPLESMENTE FERNANDO QUEIROZ, NASCEU EM 11 DE MAIO DE 1974 NA EMBLEMÁTICA CIDADE DE BARRA BA, Á BEIRA DAS FÉRTEIS MARGENS DO VELHO CHICO, RIO DE SUA VIDA, E UMA DE SUAS MAIORES FONTES DE INSPIRAÇÃO.
AUTODIDATA, NUNCA FRENQUENTOU NENHUMA ESCOLA DE ARTES OU CURSOS DE TÉCNICAS DE APRIMORAMENTOS, (O QUE JÁ É EM SÍ IMPRESSIONANTE.)
ARTISTICAMENTE FALANDO, MESMO QUE FERNANDO NÃO APRESENTASSE UM TRAÇO IMPRESSIONISTA NA SUA FORMA DE PINTAR, MESMO ASSIM O AUTOR NÃO PODIA DEIXAR DE SER CONSIDERADO COMO TAL.
UMA VEZ QUE: UMAS DAS PRINCIPAIS MARCAS DO IMPRESSIONISMO SÃO: JUSTAMENTE, INCIDÊNCIA SOLAR NAS COMPOSIÇÕES, A IMPORTÂNCIA QUE DADA Á NATUREZA, AS CENAS OS EVENTOS DO COTIDIANO E A FIGURA HUMANA, SÃO ELEMENTOS FACILMENTE PERCEPTÍVEIS, OBSERVANDO SUA OBRA.
A ELEGÂNCIA NOS CONTORNOS, A ERUDIÇÃO DOS TRAÇOS, DENOTAM, APESAR DA IDADE, ESTAR DIANTE DE UM VERDADEIRO MESTRE.
COM UMA PALHETADA QUE VALORIZA QUASE SEMPRE A LUMINOSIDADE DOS MOVIMENTOS, O IMPRESSIONISTA DO SÃO FRANCISCO USA E ABUSA DOS FUGIDIOS MOMENTOS DE LUZ, PARA ELABORAR UMA OBRA BELA E ÚNICA.






   

Poema de amor ao rio Tocantins!

           

                          Na melancolia
                      das noites quentes
                              de verão
                          e... sob o luar 
                         das palmeiras e
                            dos buritis...
                                              
                        Eu vejo a sombra
                             do rosto da
                            minha amada
                     resplandecer na água

                    em um lugar qualquer,
                      na imensidão do rio
                              Tocantins!

domingo, 4 de março de 2012

A barbaridade sob a ótica da arte!






                    BARBÁRIE é a tentativa de um retrato da miséria secular

Um paralelo entre o contemporâneo e o medieval, ressaltando os aspectos físicos e plásticos dessa semelhança: Foi o que mostraram através da sua apurada pesquisa, as irmãs Blanche e Marcella Hage em sua exposição "Barbárie", que foi exibido no Senado federal de 10 a 25 de agosto de 2011, e que tem previsão para uma nova coleção e temporada aqui na Capital Federal esse ano aguardem!

A barbárie é vista aqui como decorrente dos aglomerados urbanos que surgem na baixa idade média, onde são atirados os miseráveis para perpetuar essa condição, enquanto as elites erigem suas catedrais. A semelhança com as favelas que explodem no brasil no século XX não são apenas físicas e plásticas, mas refletem uma mentalidade separatista, como se a pobreza fosse uma condenação biológica, antropológica e social.

"As características mais marcantes desses microcosmos ( favelas), que tanto se vislumbram no medieval, vão desde as edificações amontoadas, passando pelos esgotos a céu aberto até as feirinhas irregulares, verdadeiros formigueiros humanos, onde se encontra de tudo" explica Blanche.

Desta forma, a despeito dessa visão romantizada, este trabalho explora um lado carnal e mais virulento das favelas brasileiras que se traduz na pobreza e violência que estão submetidos os seus moradores, transformando a vida destas pessoas num verdadeiro e permanente "circo de horrores".




sábado, 3 de março de 2012

O litoral Cearence em foco!

    
   
Lá estava eu nos idos de 2010, trabalhando na divulgação do livro, "Viagem Pitoresca pelo Litoral Cearence" de Otoniel Fernandes Neto e eis que recebo o convite de ninguém menos que, Alex Uchôa para participar de um ensaio fotográfico seu, ainda tendo as mais belas praias do ceará como pano de fundo.
Imediatamente aceitei o convite por se tratar de um dos principais fotográfos brasileiros e um exímio especialista em paisagens e ecossistemas naturais do país.
O resultado não poderia ser outro,
Um espetáculo.
Curtam um pouco dessas pequenas maravilhas e embarquem nessa viagem!



1/20s f/16.0 at 310.0mm iso100 full exif 


Barrinha, Camocim, Ceara, 1796
06-JUN-2010

Barrinha, Camocim, Ceara, 179.


Pedra Furada, Jericoacaora, Ceara, 6158.jpg
28-JUN-2010

Pedra Furada, Jericoacaora, Ceara, 6158.jpg



Pedra Furada, Jericoacaora, Ceara, 6158-2.jpg
28-JUN-2010

Pedra Furada, Jericoacaora, Ceara, 6158-2.jpg

















quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

A BUSCA DO PINTOR.

                   



SÓ ME DAREI POR SATISFEITO,
SÓ VOU PARAR DE BUSCAR OS EFEITOS
LUMINOSOS E COLORIDOS
EM MINHAS TELAS, QUANDO AS PESSOAS
SENTIREM A NECESSIDADE DE USAR ÓCULOS ESCUROS AO APRECIÁ-LAS.
SÓ QUANDO O PÚBLICO EXCLAMAR!
ESSA LUMINOSIDADE ESTA FERINDO A MINHA RETINA, OFUSCANDO MEU GLOBO OCULAR,
CAUSANDO-ME IRRITAÇÃO CÓRNEA!

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012


Oração Carajá.

Ó sagrado Aruanã,
Grande protetor dos Carajás,
Livra os teus filhos,  
Da extinção e agressão do invasor.
Ilumina-os.
Para mantê-los sempre fiéis a terra.
Ajuda-os a manter suas tradições,
E preservar o que é teu.
Não os deixem dar ouvidos aos salteadores,
Pois esses usam simpatia e fé como pretexto,
Para lhes furtarem o que tens de mais precioso.
Faz-lhes entender e respeitar suas entidades mais sagradas,
Para sempre intocadas nos recônditos das matas,
Nas profundezas dos lagos
 E no rio Araguaia!



segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

IMAGENS PERU EM BICICLETA




Um dos motivos que me levou a representar o trabalho de Antônio Olinto aqui em Brasília, foi justamente a seriedade e o amor com que esse indivíduo realiza seus objetivos.
Outro foi pelo fato do mesmo ter sido o brasileiro precursor em ter dado uma volta ao mundo de bicicleta, e ter feito tantas outras viagens mundo afora.
Por esses e outros, temos motivos de sobra para reverenciarmos esse herói nacional e da resistência sob duas rodas.
Esse trabalho atual, que conta com a presença decisiva de sua companheira e fotografa Rafaela Asprino, que enriqueceu e muito essa aventura pelos tortuosos caminhos da cordilheira andina
Aqui podemos conferir um pouco do que será a exposição, e que estará em breve em cartaz aqui em Brasília.
aguardem!










Esse é o Trailler da do Último DVD Imagens do Perú em bicicleta, de Antônio Olinto e Rafaela Asprino
           Que esse ano fará parte de uma exposição em conjunto na Câmara dos Deputados



Projeto:
Biblioteca da Língua Portuguesa.

Angola, Brasil e Portugal têm laços fraternos que estão para além das questões  idiomáticas  e marítimas. As relações criadas no período colonial, pelo triângulo do comércio de escravos e as vias ultramarinas entre estas nações, propiciaram uma rede de comunicação intensa  que teve a Língua Portuguesa como a ferramenta principal de mediação. Se por um lado o passado mostrou ao mundo a face vergonhosa da escravidão, por outro lado  legou-nos a “Língua de Camões” com toda a sua riqueza linguística e sonora, constituindo um bem comum e a nossa maior herança.
Sendo assim, surgiu a ideia de fazer uma parceria com Bibliotecas públicas e não públicas de Portugal e do Brasil, para recolher livros com o intuito de fundar em Luanda (Angola) a sede da Biblioteca da Língua Portuguesa.
O projeto possibilitará, através da literatura e do incentivo à leitura, manter a boa relação existente entre essas nações que, apesar de separadas geograficamente, se mantêm interligadas por laços de afeto, irmandade e pela língua portuguesa, que neste caso assume o papel mediador de interação e entendimento, visando outras parcerias  e projetos multi culturais.
Apelamos, por isso, que divulguem e apóiem a campanha doando livros de literatura portuguesa ou de temas regionais referentes a esses países e à lusofonia, porque como dizia a poetisa, para nós a Língua Portuguesa “É ter fome, é ter sede de Infinito!”. 


Jocenilton Santos com o então Embaixador de Angola no Brasil, Leovigildo Costa, discutindo a viabilidade do projeto


É de louvar iniciativas que contemplem em seu escopo propostas culturais, literárias e eventos que principalmente sirvam para enalteçer a nossa língua.
O português como idioma falado de milhares de habitantes nos quatro cantos do globo, reivindica iniciativas desse tipo, ainda mais quando essas políticas reforçam laços entre nações que tem muitos aspectos sócio/culturais comuns, mas que estão dispersas geograficamente.
A língua é a marca registrada de um povo de uma nação, e funciona como uma espécie de código fonético que permite pessoas entenderem e serem entendidas, Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São tomé e Príncipe e Timor Leste, teriam pouco em comum se não fossem o idioma português como língua falada entre-si, tornando real tal possibilidade.
Para tanto, surgiu essa iniciativa de criar e difundir em âmbito inter nacional, (uma vez o projeto conta com a parceria de Bibliotecas do Brasil, Portugal e Angola,) o projeto da Biblioteca da Língua Portuguesa, que trata basicamente de uma mobilização para arrecadar livros e fundos para a realização da mesma. 
A idéia é que essa biblioteca além de referência, abrigue um acervo amplo e que ao menos represente, um pouco da diversidade das produções literárias desses países que falam o Português.
Os seus idealizadores desde já apelam para os que se sensibilizam com essa "nobre" causa a contribuir com doações de livros referentes a literaturas do nosso idioma português.
Para entrar em contato conosco.
No brasil, pela Biblioteca comunitária Entre Lagos, Jocenilton Santos é quem organiza a arrecadação, e em Portugal o trabalho fica por conta de Leonor lino, pela Biblioteca Manuel Antônio de Pina. 
Divulguem essa idéia
Dúvidas entrar em contato pelos E-mails: zaramanaz@hotmail.com e leonorosa@gmail.com

Poemas e Tal



    A sina Do Rio.          




                              
                 Assim como todas as coisas grandiosas,
Tudo tem um principio pequeno e limitado.
Como uma mãe que ao dar á luz ao seu pequeno filho,
                    Perde-o para o mundo;

                 O mesmo ocorre com as finas nesgas de água
Que se precipitam e perdem-se mundo afora,
                 Para também encontrar seu destino, seu fim,
“a milhares de quilômetros de distância”


                                                                          Jocenilton Santos.

J Santos Coordena os 10 anos da Exposição Fotográfica "Volta ao Mundo de Bicicleta" de Argus Caruso Saturnino.

     
Convite de Lançamento da Exposição



 
O coordenador do evento Jocenilton Santos, com o Deputado Reginaldo  Lopes, e o artista Argus.







Esse evento que foi a volta ao mundo de bicicleta, possibilitou para mim alçar vôos mais precisos no campo das produções culturais, Uma vez que a complexidade da realização do evento se deu de forma peculiar e adversa ao nosso planejamento. a começar pelo fato de que tudo fosse feito diretamente aqui em  Brasília para facilitar a execução e minimizar erros que nesses eventos se multiplicam de forma homérica, e não o contrário.No entanto o artista achou conveniente, e por questões econômicas providenciar as impressões no Rio de Janeiro, e o restante da exposição aqui mesmo em brasília finalizando assim detalhes como acabamento, impressão  montagem de molduras e etc.
Resultado: como em todo e qualquer evento dessa natureza quando ocorre o lançamento da exposição, a abertura do evento, os presentes ficam maravilhados com o resultado, impressionado com as obras, agradecem e elogiam os artistas, pelo feito mas não imaginam o que ocorreu horas antes ao do lançamento e que possibilitou aquele importante momento.
apesar das adversidades, dos problemas que surgem  de "repente" para dificultar ainda mais o que já não está fácil, da falta organização e tempo, nada se compara ao ver a o evento pronto, O pessoal chegando e prestigiando, assinando a lista de chamada e tecendo comentários elogiosos.
pela realização do mesmo.
Essa é a hora mágica que voçê olha para trás e diz, Valeu a pena!


"Salão Cultural Barra", Impressões em Cores e Formas.






Esse foi  o I Salão cultural da Cidade da Barra, Situada as margens do Velho rio de São Francisco. O evento foi uma iniciativa independente da Otoniel Arte Brasil e do fotógrafo Jocenilton Santos, que juntos promoveram esse primoroso e inesquecível evento.
Além de ter se tornado um grande laboratório, esse Salão serviu para celebrar da arte cultura e preservação da memória do povo ribeirinho, do rio São francisco e da Bahia.
O evento contou com a presença do prefeito da cidade, Arthur Silva Filho, do Secretário de cultura "Rogerinho", de artistas locais e do próprio Otoniel que encheu de orgulho os que ali estavam presentes e enriqueceu a noite.
O evento girou em torno basicamente de trabalhos captados pela essência das crianças que literalmente "roubaram" a cena. e mostraram muita sensibilidade na execução dos desenhos.
Ouve também no evento, contação de histórias, discursos relembrando o passado glórias da cidade, declamações de poemas etc.
O que agora se espera é que as autoridades locais sensibilizem-se com a questão cultural da cidade que é riquíssima e promovam anualmente esse evento que representa, não só a memória e o inconsciente coletivo dos moradores da cidade, como também a possibilidade de descobrir e revelar novos talentos no âmbito artístico/cultural.


Discurso de abertura.


As Belas manhãs da Barra
As Belas manhãs da Barra
O evento
Cartaz na entrada do local do evento.
Amanhecendo na Barra.
Impressões cotidianas
A alegria das viagens
Velha Lavadeira
Velho Vaqueiro.
O coordenador do evento com funcionários do Instituto Aydano  Roriz.
Com o Secretário de Cultura.

Oficina em Sala de aula.


                                                             Em discurso de abertura.