Follow by Email

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Pra quem corre demais


Velocidade não é tudo,
Ser ou não ser?
Lembra-se da história do cavalo árabe?
Eis a questão.
Tenho pressa, mas,
Por isso é que vou devagar...

Há pessoas que se movem rápido demais...
...Não tenho tempo para recomeçar.


O Galo;
(Relógio sonoro do tempo)
Na verdade não canta, avisa,
E nós insistimos em não ouvir...

Ele é um sentinela que agoniza.

O galo, em vão canta,
Porque o homem 

Ainda Dorme!

domingo, 5 de julho de 2015

Anti-Movimento.

                                             
                            ...Não correspondo a nenhum grupo,
                      Não pertenço a nenhum movimento.
         A não ser ao movimento das minhas pernas.

O Motor da Mente.



Noutros tempos diziam que 
a mente era quem comandava o corpo.
E eu agora vos digo:
São as pernas 
quem governam nosso corpo!

quinta-feira, 18 de junho de 2015

A Victor Buescu.
(In memorian)

Confrade epistolar
Herói da resistência romena.
Ourives na arte de traduzir e aproximar.
Como um verdadeiro guerreiro,
Fez da palavra escrita seu escudo, sua arma.
Contra os dardos envenenados do exílio,
Vertendo sobre a mesa
Um banquete de tradições bi-milenares,
Perdidas há muito no vão do tempo...

...E de repente, os extremos da Dácia e da Ibéria,
Viu-se unidas por esse atlas do novo mundo
Que sozinho carregou em suas costas,
A neo-latinidade, as letras clássicas,
E a cultura daco-romana para além
Da finisterra...
Assim foi o excelso filólogo,
Fez da diáspora,
Seu eterno vir a ser,
Seu devir...

Lição maior para os vivos!

sábado, 13 de junho de 2015

                              
                          O Mestre do Arado

                                                                                                                                                


                                Badea Cârtan de além Mar, 
                                Saltimbanco.
                                Conservou no vôo e no sonho,
                                A exímia arte de atravessar
                                (como andorinhas)
                                Abismos intransponíveis,
                                Estações da vida 
                                ...E os beirais do tempo.
                                É senhor da mota,
                                Você nos ensinou a difícil tarefa,
                                De como é preciso saber, 

                                Manejar bem o arado!

   

                                                                              J Santos.


                                                                           


domingo, 31 de maio de 2015

Genésio & Tocantins, 
Um amor perfeito. 

Parece que dessa vez o senhor Genésio Tocantins acertou a receita.
Não que de outras vezes ele tivesse errado na fórmula, mas é que agora a sua massa musical ganhou um ingrediente mais que especial.
“Amor Perfeito” é o nome da pérola e não poderia ser diferente, pois retrata todo o vigor cultural do sudeste do estado e o esplendor musical de Natividade.
Esse disco já nasceu clássico; A pancada da “Suça”, a Curraleira, a Roda, o Tambor, a Catira e as Cantigas de são Gonçalo, aliadas ao delicioso amor perfeito, a Filigrana, e o belo e rico conjunto arquitetônico da cidade são elementos constitutivos dessa região e que permeiam toda a obra de maneira natural e sublime.
A obra é composta por 12 faixas que podem ser perfeitamente executadas de trás para diante, garantida pela qualidade musical das mesmas, sintetizando assim no Nec Plus Ultra do artista, que somados à competência técnica dos outros músicos, evidência essa que já é de longe a sua obra monumental.
“Amor Perfeito” não é um disco só pra ser ouvido, tem que ser sentido e degustado, Saboreado como uma fina iguaria.

Amor Perfeito, obra prima dos autores!








                                                                                  
                                                                                  
                                                                                 J.Santos, 
                                                                        Fotógrafo e Produtor.

À Agostinho Neto.

                          Nem as aves de rapina da PIDE,
                Viajando nas asas da hipocrisia do império,
                      Nem as grades do cárcere e do tempo,
                            Foram capazes de impedir
                   Que os sinos ecoassem na madrugada

                         Anunciando a independência!


* Homenagem de J Santos ao líder Africano Agostinho Neto e aos 40 anos da independência de Angolana.




                                                 Fênix

              Tentam matar-me a toda hora.

                Mas eu, alquimista por excelência,
                Transformo lixo em perfume,
                Erro em acerto, nessa loteria babilônica.
                Faço da minha arte meu refúgio, meu cosmo,
                Lenitivo contra as amarguras,
               Antídoto contra a indiferença e o silêncio...





sábado, 30 de maio de 2015

Ao mestre Nicolae Grigorescu.

 

 

Preservando a pátina do tempo

Em gestos, olhares e sorrisos,

O mestre Romeno Grigorescu,

Impressionou-nos e deu vida,

Com as suas madonas campestres,

Mulheres meninas, 

Orgulhosas e efusivas,

Cheia de cores e vida.

Na tradição dos Barbizões, 

Em paisagens nativas, 

Carregadas de encanto e lirismo,

Fossem elas Taranca ou Batrinas!







domingo, 24 de maio de 2015

A Paixão de Eminescu


                        Como um espectro errante

                             A varrer o espaço em noite profunda,
                             Absorto, o meu astro viaja...
                             Em busca de outras linguagens,
                             E de uma nova luz que lhe nutra.
                
                             É a luz que dele emana, 
                             (mesmo sem existir)
                             Que me mantém vivo e me conduz...
                             E nesse encalço a minha alma                                                     Ainda há de vagar...



Primavera Romena



Águia da inspiração,
Eu te suplico.
Arrasta-me ao infinito.
Arroja-me num santo êxtase,
À plaga amada de Eminescu, o gênio,
Eu como um vidente desejo, prenuncio...

Se em todo o céu há estrelas,
E em todo campo flores,
Nos jardins de Bucareste floresce, 
Primaveras, encantos e amores.
Rapsódias de Enescu, o mestre,
Em valsa de flores divertem,
Um estupendo quadro celeste,

Que a natureza coloriu...



(Homenagem aos dois maiores poetas latinos do século XIX, Castro Alves e Mihai Eminescu.)

quarta-feira, 20 de maio de 2015

                         Ao Poeta Antônio Miranda.


                                    Tristan Tzara Redivivo.
                                 Iconoclasta por excelência.
                                 Destruidor de anjos e de "ismos"
                                 Transmutou-se a sí mesmo,
                                 Anunciando auroras,
                                 Desintegrando paroxismos.

                                 Avant-garde da América.
                                 Ósculo sublime da palavra impressa.
                                  Imprimiu a sua marca,
                                  Por onde passou,
                                  Em forma de verbo e vida!

Lendo Wilson Lins


     Lendo Wilson Lins      


Ia eu solitário,
Seguindo a esmo
Pelos ínvios caminhos
Dos sertões,
Quando
Encontrei zarahtustra,
Que assim me falou:
Enquanto não mergulhares 
Dentro do abismo 
(dos sertões)
Ele jamais refletirá dentro
De tí!



quinta-feira, 14 de maio de 2015

O chamado

Sinto meus pés sentindo...
Como se lá já estivesse vivido,
a caminhar pelos bosques e prados,
Cobertos de faia e abeto,
Do solo fértil da pátria Romena.

Se a água passa e as pedras ficam,
São nelas me apego e me identifico.

E é nessa lição de paciência e otimismo
Que em silêncio observo e aguardo,
Tal como os velhos Geto-Dácios,
A convocação e o chamado


Do grande mestre Zalmóxis!


                             Unidade Romena



                                       Sob a égide

                            Da fé, do sangue, do trigo,

                        E armados de sabre recurvados,


                             Ala de coortes de Dácios

                             Descendentes das legiões,

                               De Decíbalus e Dida.


                             Entoam gritos de guerra

                          Num coro de cem mil vozes,


                             Há quatro séculos adiado.

                         Proclamada na paz de Versalhes

                     E no antigo sonho de Miguel o bravo,

                           A unidade do povo Romeno!





Homenagem á unificação do estado Romeno, proclamado no dia 1º de dezembro de 1918.

segunda-feira, 11 de maio de 2015

A Stan Patras.
              O Carpinteiro de Sapanta

               

                         A lápis-lázuli de antigos túmulos

                           Apreciada dos velhos faraós, 

                           Hoje tesouro de Maramures.

                       No azul-profundo das esculturas,

                                   Pinturas renascidas 

                                       Golpe a golpe,

                           Em cada gesto, em cada cruz.

                                   A poesia entalhada,

                                Impressa na genealogia 

                                  Dos velhos carvalhos.




domingo, 10 de maio de 2015



A Pilar de Saramago
                              Lendo Jangada de pedra



                     O que tem que ser, será.
                     Assim não é a sentença dos mais velhos?
                     Não há como fugir do nosso destino!
                     Ainda Chove, mas amanhã cedo partirei...

                     Virtude, teu nome agora é esse velho olmeiro,
                     Vara de negrilho em transe,
                     Raiz renascida dos maiores milagres,
                     Que estende sua sombra além-mar, distante...

                     Acredite na fatalidade que nos espera,
                     Mas porfavor dona joana;
                     Cuidado para não assanhar os cães

                     Ao riscar o chão!
                        


segunda-feira, 27 de abril de 2015






Eminescu, O castro Alves Romeno.


Mihai eminescu nasceu na Romênia (Moldávia), onde passou a sua infância, foi enviado depois para o ginásio de Cernaut (hoje Bucovina Ucraniana), onde fugiu inúmeras vezes para seguir um grupo artistas ambulantes; em sua fuga mais espetacular foi até a Transilvânia. Com isso não retornou mais ao ginásio e passou a levar uma vida de boêmio em Giurgiu e Bucareste. No entanto, seu pai encontrou-o em em 1869 e mandou-o para Viena, nesta cidade Eminescu estudou filosofia e folologia, sem no entanto obter qualquer diploma.
Seu nome de família era Eminovici, mas o escritor passou a se chamar Mihai Eminescu, com o fim de romenizar o seu nome, trocando o sufixo patronímico Eslavo, por ici, por um tipicamente romeno escu. 
Escreveu muito por essa época, graças a Iacob Negruzzi, publicou seus primeiros versos na revista Juminea. foi por algum tempo ator, inspetor de escolas e bibliotecário em Iasi, onde conheceu Verônica Micle, sua inspiradora, seu grande amor.
Em 1872 foin para Berlim, onde seguiu os cursos de Duhring e Zeller, mas também desta vez não obteve diploma de doutor em Filosofia. Em 1874 conseguiu em Iasi um modesto emprego em um escritório. Mais tarde em 1877, entro para o jornal conservador Timpul, onde conseguiu exprimir suas idéias e desenvolver o seu espírito de polemista.
Com pertubações mentais em 1883, foi curado em Viena. Voltou então para a sua pátria e lá, com períodos de demência, acabou seus dias vítima de uma síncope cardíaca.
Embora a sua obra não tenha sido totalmente publicada, grande parte dela já foi traduzida para diversos idiomas. Eminescu exerceu influência decisiva sobre as posteriores promoções de poetas da Romênia. Suas poesias filosóficas caracterizam-se por um profundo pessimismo, onde a influência de Schopenhauer é muito perceptível.
Por conta do espírito arrebatador e do lirismo dos seus poemas, Eminescu teve naturalmente associado com o poeta Baiano Castro Alves, que dentre outras além de não ter vivido muitos anos, existiu praticamente ao mesmo tempo do poeta dos escravos,
Aqui no Brasil, mais precisamente na cidade de Macaúbas Bahia, há desde os anos 70 um Centro cultural que leva o seu nome e um dos principais objetivos dessa instituição filantrópica é de divulgar a cultura romena aqui no Brasil, principalmente a Vida e obra de Mihai Eminescu, capitaneada pelo professor 
Àtico Frota Vilas Boas da Mota.






                         Àtico Vilas Boas da Mota, 

                     um Mestre Baiano a Serviço da 

                                 Cultura Romena.





Tal como um astro cuja luz chega até nós muitos séculos depois dessa estrela já ter se extinto, Àtico Vilas Boas da Mota parece pertencer a aquele período áureo da nossa história em que as antenas da intelectualidade dos nossos homens, sobretudo aqueles oriundos do universo dos sertões, irradiavam a luz do seu pensamento como atalaias para o mundo inteiro.
Ele poderia ter dividido o mesmo espaço com bambas do quilate de um Teodoro Sampaio, um Carneiro Ribeiro, um Rui Barbosa, Afrânio Peixoto, Abílio césar Borges, Anísio Teixeira, isso para não falar de tantos outros mestres contemporâneos na arte de educar e que o influenciaram como:, Milton Santos, Pedro Calmon, Luiz Viana Filho, Tales de Azevedo, Edison Carneiro, Hermano Gouveia Neto, Professor Germano Machado, Edivaldo Boaventura ou qualquer que tenha sido o educador, sem que o mesmo tivesse a preocupação ter o seu brilho ofuscado pela luz de qualquer um desses gênios construtores sempre a serviço da educação e do nosso pensamento.
Poliglota, homem afeito a leitura e ao conhecimento, fez do verbo e da palavra impressa sua paixão permanente e o seu meio não só de fazer contato com os outros povos como o de transmitir para a posteridade a sabedoria de seu pensamento. Depois de ter percorrido o vasto universo do mundo românico e conhecido todas as nações latinas, escolheu justamente dentre todas elas a Romênia como a sua segunda pátria, seu principal objeto de estudo e sua filosofia de vida, por lá vivendo intensamente e divulgando a língua portuguesa através da embaixada do Brasil e da vice-reitoria da universidade de Bucareste, cidade que aprendeu a amar e imortalizou em versos esplêndidos de obras primas como: “Alpondras”, a sua grande travessia poética e em “Poema Telúrico”, essa belíssima capital.
Assim é Àtico Vilas Boas da Mota, professor, paremiologista, poeta, tradutor, pintor, filólogo, ciganólogo, especialista em cultura popular e humanista, estrela de primeira grandeza que lá de Macaúbas, a doce pátria da sua meninice, emanou para o mundo inteiro a luz da sua sabedoria!




Alpondras, Travessia de
Bucareste.





                  Outras Obras de Àtico Vilas Boas da Mota.