Follow by Email

quarta-feira, 13 de julho de 2016


Buzău 1640.

Quando eu for à Buzău,
De pés descalços,
Lá também quero chegar,
Vou comprar um par de Opinci ,
E em trajes de Bisoca,
Com a história me reconciliar...
Pra de perto conferir,
A sabedoria de um povo,
Que ao longo de seus,
Mil seiscentos e quarenta anos
Dá aulas de resistência,
E sabe se reconstruir...
Lá em Buzău,
Você sente a tradição,
E a textura das cores ,
Estampadas no chão!

(Bom Jesus da Lapa-BA, Julho de 2016)



Os padrões de mármore na praça Dacia, semelhante ao trajes tradicionais de Bisoca
                         




  

   

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Reencarnação
(Para Ático Vilas Boas)

A vida é uma viagem,
Passagem só de ida?
Será que há vida após a morte?
Deve haver mais que isso...

...Sigo pelo trilho do tempo
E na estação seguinte
Topo com uma luz,
Que mchama
Me ilumina,


É Alzira!


(homenagem de J Santos à esposa de Ático Vilas Boas, Alzira dos reis.)

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

                                               ...Bem pra lá 
                                       nas montanhas no norte,
                                Floresce a magnífica Maramures,
                                          Florzinha de açafrão  
                                              da Translvânia...




quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

                            Ao Mestre Geográfo 
                                                                                           (Dumitru Dan)

Devagar o mundo gira
E é assim que chega,
Aonde se quer chegar
Três oceanos,
Quinhentos pares de opinci,
Setenta e seis países,
Mil cidades,
E mais de cem mil quilômetros a pé 
Ao redor da terra,
Essa foi a infalível receita,
Do corredor de longa distância,
Devorador de estradas,
Dumitru Dan.
Nem a chuva nas costas,
Nem o calor dos trópicos
Nem a morte,
Nem a guerra,
Intimidou-o...
Nada lhe deteve o passo, 
Nada foi capaz de lhe tirar o ânimo.
Na cabeça um chapéu;
E na bagagem, 
Danças, e músicas,
Tradicionais...
Muito além do horizonte
e da geografia de Bacau,
O globetrotter Romeno
Bateu o pó das estradas 
e revirou ao avesso
Mares, continentes,
Oceanos e cidades
E em cada passo dado,
Cada metro palmilhado
O seu maior desafio,
A certeza de voltar...
Sua insaciável sede de viajar,
Ainda influenciam o mundo
Rendido aos seus pés!



quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

À Cassius Dion.

(Historiador das guerras dos Dácios)


Nos antigos caminhos de

Arcidava, Berzobis e Tibiscum,

Seguiram toda a tradição ancestral

E a toponímia Daco-Romana.

Em inscrições latinas,

Na família de Diales,

E na fidelidade cultural

De seus velhos nomes!

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Nelson Vainer.

Há dezanove anos
A sinfonia das águas perdeu
O seu maior regente,
Maestro incansável
Nelson Vainer.
Dificilmente por aqui,
Haverá outro como ele.
Quem sabe talvez daqui a
Dezanove anos apareça
Por nossas plagas,
Outro divulgador do
Espaço miorítico
À sua altura,
Quem sabe?

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

                          Saudades do Brasil


                                              Com o seu "eu" a poesia de
                                       Stefan Baciu, Literalmente
                                    Deu os seus primeiros passos.
                                     Mas, jovem e miópe que era,
                                   Não viu as pedras do caminho...
                                  Caiu ao telefone de corpo inteiro
                             Sem poder realizar o seu último desejo.
                                          A nós fica a a lição do 
                                            poeta cosmopolita!



Balada de cárcere.
(Lendo Constantin Noica)

Assim como Dostoiévski
Steinhardt teve o seu aliócha.
Ambos não conviveram juntos,
Mas encontraram a sua felicidade no cárcere.
Perseguidos e censurados,
Tiveram uma vivência
Real e concreta do mundo.
Para descobrirem que a felicidade
Estava dentro e não fora
A felicidade estava nos sonhos!



                                                                                    J Santos

sábado, 30 de janeiro de 2016

                               O limoeiro (A Luciano Maia.)



                                         Lá do sertão
                               O meu pezinho de limão
                              Estendeu uma galha forte,
                                         E deu frutos
                                        No solo fértil
                                   Do quintal vizinho,
                                       Do país irmão!



(* Homenagem de J Santos à cidade de Limoeiro do norte, terra natal do Romanista, Cônsul, tradutor e poeta Luciano Maia)

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Doina
(Para Veta Biris, e Sava Negrean Brudascu)

O sonho embeleza a vida
E o canto é a fonte de inspiração
Que garante através das eras,
O sentido da existência
De forma mais poética,
E humana.

O segredo e encanto das aldeias e
As canções pastorais romenas,
Evocam desde tempos recuados
O orgulho de quem já traz
Nos trajes e no ser
O encanto e o requinte
Da arte de cantar,
...Tatuados na alma!


                                                                  J Santos
Pensando em Sadoveanu

Precisamos ver um novo país
Para além da escuridão.
Aqui no Brasil, nessas terras,
Onde de tudo dá,
A arte de sobreviver
E recomeçar a vida,
Falam mais alto.
Aqui cabem todas as pátrias do mundo.
Porto de salvação,
Terra de imigrantes,
De contrastes e contradições,
...E imensos arrozais 
Mas tenham cuidado, aqui
Nossos prefeitos não são menos cruéis

Como aqueles da velha moldávia!
                            Pensando em Sadoveanu II     

                                      

                               Sobre quadros pintados
                               Em tons cinza do passado,
                               Pousam flores murchas,
                               Sob águas mortas,
                               Como molduras perfeitas
                               Na vida dos humilhados,
                               Que ficaram para trás,
                               Nesse vendaval que 
                               Se tornou a vida...

                               Mas no amanhã,
                               A verdade reaparecerá,
                               Sob notas literárias
                               Nutrindo uma nova vida
                               De forma mais lírica,
                               Transpondo alegria para além do
                               Vasto horizonte
                               Dessa triste Moldávia.
                               Onde o novo império das águas,
                               O encanto das flores,
                               E os ramos dourados,
                               Renascerão outra vez!



                                                                                    J Santos

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

A Nicolae Labis

Se alguém me perguntasse
Quanto tempo leva o homem
Para alcançar à eternidade,
Eu pronto responderia:
21 anos e dez dias!

                           Assinatura Nicolae Labis.png
Anti-Cioran

Não discuta a condição
do mundo, apenas exija dele,
O que ainda vale a pena ser vivido.

A luz mora nas trevas!


                                                                   J Santos

segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Sabedoria em Pedra

Ao contemplar o futuro, 
A “mulher sentada” 
E o pensador
Em Dobruja,
Deram ao mundo 
Uma lição de sabedoria e paciência
E viram Brâncusi
Em silêncio,
Acenar no tempo
(com seus bancos e mesa)
E ensinar o mundo 
A sentar.

Como sentado
Se pensa melhor,
A história viu a Romênia
Na história passear...
...A esculpir a lapidar,
Em formas e pedra
Desde a antiguidade,
A arte até no sentar!



                                                                                    J Santos