Follow by Email

segunda-feira, 24 de abril de 2017

...O São Francisco e o destino nas águas de um rio.

       


Nem o maior dos otimistas seria capaz de prever que uma despretensiosa viagem de barco e feita num pequeno "rabeta" e tripulado por dois aventureiros, terminasse de forma tão repentina e inusitada: (com a sua hélice presa às redes de dois pescadores que atravessadas no meio do grande rio exerciam o seu diário e penoso ofício.
Se essa história mesmo que tivesse terminada naquele dia, presa às aquelas redes, aqueles dois desatentos navegantes, já tinham motivos de sobra para relembrarem por muitos anos o ocorrido, no entanto o mais interessante disso tudo foi que os dois, além de terem ficado impossibilitados de seguirem viagem rio abaixo rumo à foz como eles previam, jamais imaginariam que aquele aquele lance de rede prenderia-os por muito tempo.

O certo foi que na altura da ilha do caldeirão, localizada no povoado de mesmo nome no município de Serra do Ramalho, esses dois desavisados aventureiros que passaram a noite pernoitados no rancho dos pescadores tentando entre outras coisas, desembaraçar o material de trabalho dos pescadores, preso intrinsecamente à hélice do motor da embarcação, só puderam alcançar na manhã seguinte o porto de Bom Jesus da Lapa, cidade mais próxima do local do incidente e tiveram a oportunidade de conhecer uma pessoa que apesar de morador da Lapa residia no dito povoado onde acorrera o percalço, conduzindo-nos de forma prestativa à sua casa, tratando-nos da melhor forma que alguém pudesse ser tratado.

Assim, o tempo foi passando e J Santos, o idealizador da viagem, depois de ter devolvido o seu amigo de volta à Pirapora (local onde se deu o início da viagem) voltou ao local do ocorrido e após um tempo detido à localidade do caldeirão e de ter morado cerca de 3 meses na Lapa, resolve não só ficar no lugar, como também de convidar e ser visitado várias vezes pelo seus pais, que finalmente acabaram nessa referida data de 19/4/2017, há exatos um ano do ocorrido, a fixarem residência no referido município, dando assim um desdobramento mais que surpreendente à saga de uma viagem feita em uma pequena embarcação de cedro, que parecia malfadada, mudando assim os rumos não só de uma pessoa, como também de uma família inteira, que por causa de uma rede de pesca, agora habita às margens do santo rio.

Isso para não falar de outros desdobramentos de ordem pessoal que acabaram sendo influenciados por esse pitoresco episódio, interferindo assim em outras instâncias que por si, já são dignas de outra matéria.

De fato o destino prega peças que jamais podemos controlar ou prever!

                                                           



                                                                                 Por J Santos




Um comentário:


  1. Gente que presente maravilhoso! Muito obrigada J Santos pelo convite que me foi feito pra participar desse documentário fantástico do rio São Francisco! Mostrando o seu profissionalismo nato, junto do seu amor ao rio, aí está uma obra prima de tantas outras feita por ele! Se Deus nos permitir, faremos um trabalho maravilhoso. Estamos já nos organizando para fazer umas gravações KÁTIA CASTRO cantando as canções barranqueiras de J. SANTOS! Um grande beijo no seu coração e obrigada pela confiança de colocar suas músicas tão puras no minha responsabilidade!

    ResponderExcluir